23 de abr de 2008

Arranárra, fragmento 1

"Teve aquela vez em que Feltwn acordou muito mal depois dos festejos da vitória em Gloal. Acordou tão torto que, ao encontrar algumas pessoas na estrada enquanto caminhava até sua montanha, bateu em todas elas com seu martelo até que a maioria ficasse destroçada. Um moleque sobreviveu e ficou seguindo ele pela estrada, o acusando de matar sua família. Feltwn bateu no moleque com a mão esquerda. Bateu tão forte que o moleque não andou mais, e ficou chorando na beira da estrada. Feltwn subiu sua montanha, então, e ficou lá pensando.

Mais tarde, Eldain seguia pela mesma estrada para contar de suas proezas nos salões de Firva. Quase não ouviu o choro do moleque na beira da estrada, mas quando ouviu desceu de seu cavalo e foi ver do que se tratava. O moleque deve ter ficado impressionado com aquela roupa chamativa do Eldain. Contou pra ele tudo que aconteceu. Eldain resolveu subir então a montanha de Feltwn para tirar satisfações com ele.

Quando chegou, encontrou Feltwn sentado sobre uma pedra, olhando para o Norte. Perguntou para ele por quê ele havia feito aquelas coisas horríveis, mas Feltwn apenas riu. Eldain começou a gritar todas aquelas coisas sobre como era errado matar pessoas inocentes em estradas. Todo aquele tipo de coisa que Eldain gosta de falar quando estão ouvindo. E então Feltwn o interrompeu, e parecia tão puto que Eldain não deu nem mais um pio.

Feltwn disse algo como 'De vez em quando faço coisas que as pessoas gostam, e aí dizem que sou um herói e um guerreiro valoroso. E de vez em quando eu faço coisas que as pessoas não gostam, então dizem que sou terrível e cruel. Mas eu faço o que eu faço, e não tenho nada a dizer sobre isso. Eu sou apenas Feltwn, e vocês é dizem o tempo todo uns pros outros quem eu sou, e que sou isso e aquilo. Já você, bosta que brilha, quando faz coisas que as pessoas vão gostar, as conta para todos com suas palavras bonitas. Mas você também faz um monte de coisas que as pessoas não gostariam, se soubessem delas, só que estas você esconde. Você não é diferente de mim. Também mata, também se banha em sangue e bebe hidromel, e também ama. No fundo somos todos quem somos. Só que você, além de tudo mais, é uma ave chamativa e enganadora. E ainda vem subir minha montanha pra encher meu saco e me falar do que devo ou não devo fazer? Vai cuidar do seu garotinho quebrado, e não me perturbe, antes que eu te deixe igual a ele.'

Eldain desceu a montanha calado. Feltwn era duas vezes mais forte que ele, no mínimo, e Eldain não era dado a discutir com pessoas mais fortes. Seguiu para Firva, e lá parece ter esquecido de falar o garotinho e sobre Feltwn. Imagino que o garotinho deva ter morrido de fome na beira da estrada, esperando o seu salvador. Esperar salvadores dá nisso.

Feltwn continuou sendo como sempre, mas na época nós o chamávamos de grande guerreiro pelo que fazia, e achávamos isso muito bom. Os tempos mudam, mas nunca me esqueci dele. Éramos mesmo todos da mesma estirpe de merda, só que ele não se importava em fingir que cheirava melhor, como Eldain... e como eu."


(Este não é o primeiro fragmento do Arranárra. Mas resolví publicá-lo agora mesmo assim, pois me ocorreu fazê-lo. Em breve devo reescrever aquele fragmento 2 do Delianárra. Tem razão quem diz que ele se perde em explicações e fica sem alma...)

Marcadores: , , ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home