6 de mar de 2007

estrada real

Que não achem eles
que por estar perdido
não sou mais dono de mim.

Que não pensem eles
que por não saber onde vou
não sou mais dono de meus passos.

Que não se confundam
as dores de alguém querendo renascer
com a encenação do amor à dor.

Cada um conhece o caminho,
cada flor e espinho, montanha e rio
da estrada de volta para casa.

Todos eles querem ser reis,
mas não querem caminhar até o castelo
com os pés descalços e os olhos abertos.

Todos eles querem ser reis,
mas não querem despir a fantasia.
Por baixo dos mantos, todo rei é nu e humano.

Marcadores: ,

3 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Como ninguém postou nem um "a" aki sobre esse poema??? Eu posto um AAAAAAAHHHHH ISSSO É MUITO BOM!!!
LINDO!!!! Nossa isso vem traduzir o meio burocrático que vivo no lugar onde trabalho!!! E muitos más...
Caititi

4/26/2007 03:57:00 PM  
Blogger Daniel Duende said...

Hey moça! Que bom que gostou! :D

É um poema muito sentido, quase um grito, para colocar pra fora algumas dores...

Gosto dele também. :D

Abraços do Verde.

4/26/2007 04:12:00 PM  
Anonymous Anônimo said...

Que falem as carinhas, já que que elas convivem perfeitamente em harmonia aki neste blog!
;)

4/30/2007 02:13:00 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home