29 de out de 2008

coisas que a maré traz. (fragmento)

...era sentir-estar, diferente desse sentir-pensar.
era um sentir-estar impenetrável,
denso e total -- que chega manso e carrega.
de tão denso, não cedia aos cravos
que usamos para pregar as coisas às palavras.
era, portanto, indizível.

indizível, impensável demais,
só passível de ser sentido.
quando veio
e quando voltou
no derradeiro momento
antes do mergulho no oceano do sono.

Marcadores: , ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home