11 de jul de 2007

anjo da guarda - fragmento

este é um fragmento estranho que me surgiu enquanto trabalhava em outro escrito. não tem nenhuma conexão com o que eu escrevia. é quase um vômito literário, sem sentido e sem piedade. é um fragmento...

"O homem vestido de preto esperava nas sombras por um chamado. Quando o barulho dos gritos o alertou de que era seu momento de entrar em cena, não o fez com alarde. Caminhou em silêncio, e devagar.

Sob a luz, um jovem casal discutia raivosamente. Podia ver que choravam. Havia desespero nos olhos do jovem. O homem de preto procurou não se emocionar com as lágrimas de seu protegido, ou as da companheira dele. Não se interessava pelo que diziam. Já sabia. E sabia o que era necessário fazer. Mesmo sabendo que seu irmão sofreria por várias noites depois daquilo, o homem escuro sabia o que precisava fazer. Desembainhou com vagar a lâmina escura. Quando a moça de olhos tristes injetados de fúria o viu, estes se abriram em pânico. A fúria desaparecia, dendo lugar à compreensão e ao pavor. Percebia tarde demais o que acontecia, e talvez estivesse arrependida. Ela implorou clemência. Era tarde demais para aquilo também. O homem de preto sabia que ela acabaria por matar seu protegido, e isso ele não podia permitir. Seu movimento foi rápido. Não se pode dizer que ela não sofreu, mas o ruído metálico da faca caindo de suas mãos pequenas confirmou as certezas do homem de preto. Ela acabaria mesmo por matar aquele que ele protegia. Estava fora de controle, e precisava ser abatida antes que derramasse o sangue do jovem que agora chorava sua morte. O homem de preto procurou não olhar nos olhos do jovem. Até mesmo ele se perturbaria com tanta dor. Mas tudo iria ficar bem cedo ou tarde, bem sabia. Por hora, ele estava apenas cumprindo a sua função. Esperou em silêncio, surdo aos gritos de desespero do jovem. Quando a menina expirou em meio à poça de sangue, sabia que não levaria muito tempo até que estivessem em casa. Seu irmão só precisava de um pouco de sono, e ele de um bom trago e de ouvir as vozes. A vida tem destas coisas tristes. Quem foi o idiota que inventou as imagens fofas dos anjos da guarda? Certas doçuras só tornam as coisas mais difíceis.

A noite os envolveu como o pano de uma peça que termina quando caminharam em silêncio para longe dali. Ao longe, o mundo girou. Tudo seria diferente agora."


Eu sempre achei muito estranha a idéia de que anjos da guarda sejam coisas doces e boas. As coisas das quais eles protegeriam as pessoas são muito estranhas, e por vezes muito complicadas, para que lhes caiba doçura. Os momentos em que precisamos ser salvos não são belos nem doces, e nem o poderiam ser aqueles etéreos salvadores...

E eu só quero que a vida seja boa, e que as sombras fiquem em seu lugar.

Vamos voltar às coisas doces e boas que me esperam no amanhecer...

Marcadores: , , ,

1 Comments:

Anonymous crazy woman in the attic said...

isso me lembra aquela história: um garoto gostava de uma garota do colégio. um dia a viu sentada perto de uma árvore ou coisa assim esperando o pai vir buscá-la. foi andando em direção a ela pensando: "é agora" . ela o viu chegando. ficou esperando. mas no caminho, uma abelha o atacou. ele se desesperou dando tapas pelo ar e quando a abelha se foi,ele dessitiu e concluiu que talvez aquilo fosse um sinal. algo o estava protegendo de tal garota.
acho que ele se esqueceu de pensar que pudesse ser o contrário.

o anjo da guarda bem que podia simplesmente apagar a memória desses dois jovens de modo que eles não se reconhecessem nunca mais e seguissem suas vidas.
ou o contador de histórias criou um anjo da guarda para fazer o trabalho sujo do mocinho. afinal de contas, que coisa feia 'virar o tabuleiro'!
é,as sombras são feias e amargas...é preciso ter culhão para apresentá-las com franqueza e sem a bela cobertura de glamour.

7/12/2007 03:57:00 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home